Accueil
Encyclopédie internationale
des histoires de l’anthropologie

Projeto de Pesquisa Antropólogas & Antropologia

Mariza Corrêa

Unicamp

2024 [1989]
Pour citer cet article

Corrêa, Mariza, 2024 [1989]. “Projeto de Pesquisa Antropólogas & Antropologia ”, in Bérose - Encyclopédie internationale des histoires de l'anthropologie, Paris.

URL Bérose : article3342.html

Télécharger en pdf

Résumé : Cet article est une publication posthume d’un manuscrit de l’anthropologue brésilienne Mariza Corrêa (1945-2016) résumant son projet de recherche sur les femmes anthropologues et l’anthropologie. Conservé aux Archives Edgard Leuenroth de l’Université de Campinas, au Brésil, le document original a été dactylographié en portugais en 1989 et est aujourd’hui disponible pour la première fois. Son projet se voulait un pendant féministe à l’ouvrage d’Adam Kuper Anthropologists and Anthropology (1973). Figure emblématique de l’histoire de l’anthropologie brésilienne, Mariza Corrêa a joué un rôle de premier plan dans l’évolution de l’historiographie disciplinaire. Si son héritage est particulièrement durable au Brésil, le potentiel de ses idées en tant qu’historienne de l’anthropologie n’a pas encore été pleinement saisi à un niveau plus large.

Resumo

Este projeto deriva de outro, mais abrangente, sobre a história da antropologia no Brasil (Corrêa, 1987), cujos resultados preliminares podem ser apreciados no ensaio em anexo (Corrêa, 1988) e tem sido, por assim dizer, um contraponto dele [1]. Ainda que todos os depoimentos, com uma exceção, registrados até hoje pela equipe da pesquisa tenham sido prestados por antropólogos, a presença das mulheres no início da antropologia brasileira começou a delinear-se como merecedora de atenção : uma presença importante mas, seja na documentação já levantada, seja nos depoimentos já recolhidos, quase sempre mesclada ao pano de fundo das pesquisas mais do que posta no primeiro plano entre os atores históricos de nossa disciplina. Algumas mais lembradas por sua contribuição científica, com a doutora Emilia Snethlage (1868-1929) – embora ela tenha também dirigido o Museu Paraense [2] por alguns anos – outras, mais por sua atividade administrativa, como dona Heloisa Alberto Torres (1895-1977), embora ela tenha também realizado pesquisas, além de ter dirigido o Museu Nacional por vários anos. Outras, ainda, são lembradas pela sua relação com antropólogos mais renomados : “Lévi-Strauss et sa femme” é uma expressão recorrente na literatura sobre a ‘missão francesa’ que iniciou a docência na Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo (e.g. Métraux, 1978, Maugé, 1982) – ainda que Dina Lévi-Strauss tenha tido, ela própria, uma atuação relevante tanto na construção institucional como na pesquisa (Lévi-Strauss, 1936, Soares, 1983).

E, embora o tratamento literário das figuras masculinas da disciplina seja muito raro – só me ocorre a inspiração de Ferreira de Castro [3] no trabalho de Nimuendajú [4] – é curioso que pelo menos duas das personagens cuja biografia pretendo aprofundar foram heroínas de romances (Emilia [5] e Heloisa [6]), uma terceira tendo sido objeto não apenas do romancista Lima Barreto [7] mas de inúmeras crônicas que ridicularizavam o seu interesse pelos índios (Leolinda Daltro) [8]. Isto sugere que a sua atenção como pesquisadoras era vista como insólita, e olhada com a mesma curiosidade atribuída aos objetos tradicionais da disciplina – e é como tal que elas são evocadas. É curioso, também, que boa parte dos antropólogos estrangeiros que fizeram pesquisas no país na década de trinta a cinquenta, como o próprio Lévi-Strauss, tenham vindo para cá acompanhados de (ou aqui encontrado) esposas que, em alguns casos, eram elas mesmas antropólogas mas que, na maioria das vezes, tornaram-se importantes auxiliares de pesquisa – como Frances Herskovits [9], Cecilia Wagley [10], Virginia Watson [11], Yolanda Murphy [12], Pia Maybury-Lewis [13] e Helen Pierson [14]. Se isso se deve às peculiaridades do trabalho de campo (o recurso à duplas de pesquisadores foi também utilizado pelo Summer Institute of Linguistics [15]), apresenta não obstante uma situação privilegiada para a compreensão do papel desempenhado pelas esposas de acadêmicos numa certa época e não tão visível no caso de outras disciplinas, além de oferecer um contraponto interessante ao trabalho isolado de algumas das mulheres mencionadas antes.

A pesquisa, na qual pretendo avaliar a contribuição de algumas dessas mulheres para a constituição da antropologia no país, utilizará também suas figuras como balizas para entender a disciplina de sua época e local de atuação e como um pretexto para a discussão da relação dos antropólogos entre si e com seus objetos de estudo.

A história da antropologia

Ainda que seja uma subárea recentemente desenvolvida dentro da área maior da história das ciências, a história da antropologia já conta com uma biblioteca impressionante : veja-se, por exemplo, os 2026 títulos compilados por Erickson (1984), num levantamento que já tem dois suplementos (1985 e 1986) ; os quatro volumes da série dirigida por George Stocking Jr. (1983, 1984, 1985 e 1986), além da History of Anthropology Newsletter, publicada na Universidade de Chicago e também dirigida por ele – bem como outros volumes dedicados a temas especiais (e.g. Stocking, 1968, 1986) – e a recentemente fundada revista francesa GRADHIVA, igualmente dedicada à história da disciplina, que anuncia a reedição de vários trabalhos antropológicos mais antigos. No Brasil, tanto as traduções (e.g. Mercier, 1974, Kuper, 1978, Leaf, 1980 e Laplantine, 1988), quanto a produção nacional (e.g. Peirano, 1980 e 1982, Corrêa, 1982, Melatti, 1984, Roberto Cardoso de Oliveira, 1985, 1986) indicam a existência de um crescente interesse nessa área de pesquisa.

Ao acervo de depoimentos de antropólogos (registrados em áudio e vídeo) e de sua documentação profissional e/ou pessoal que, graças ao apoio inicial da FAPESP [16] e do CNPq [17] e atual da FINEP [18], estamos constituindo na Universidade Estadual de Campinas desde 1984, soma-se também o trabalho da linha de pesquisa em “História Intelectual e Etnografia da Ciência” [19], do Programa de Doutorado em Ciências Sociais, o projeto de História da Ciência [20], desenvolvido pelo Centro de Lógica e Epistemologia da Ciência e a recente linha de pesquisa em História da Ciência [21] criada no Departamento de História, todos no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade.

No que diz respeito à antropologia, este esforço vem sendo recompensado por algumas doações importantes, como a documentação global do professor Donald Pierson [22] e a de Roberto Cardoso de Oliveira [23], entregues ao acervo de nosso projeto e já parcialmente organizada, tanto como pelo interesse de alguns pesquisadores jovens que, tendo se integrado à equipe de pesquisa ainda quando estudantes de graduação, cursam hoje a pós-graduação e encaminham seus interesses de pesquisa para esta área [24]. Trata-se, em suma, de uma área de docência e pesquisa que vem se implantando com sucesso na universidade e cujos resultados parciais prometem um bom desenvolvimento.

As mulheres na história da antropologia

Alguns antropólogos têm chamado a atenção para o efeito disruptivo que os estudos sobre a questão de gênero tiveram na discussão a respeito da relação observador/observado na disciplina (Clifford, 1986) e é cada vez maior o interesse de antropólogos pelo estudo do ‘lado escuro da lua’ em regiões já estudadas por seus colegas (e.g. Weiner, 1976, Shostak, 1981) : poucos autores, entretanto, dedicaram-se a avaliar a atuação das próprias antropólogas, ou de suas antepassadas, como uma questão pertinente à história da antropologia. Algumas vezes, trava-se no próprio texto da autora uma luta entre os interesses dos observados e os da observadora (Mark, 1982), isto é, a antropóloga é vista como uma espécie do gênero Antropólogo e o centro da discussão é antes a relação antropologia/objetos dela do que a relação antropólogos/antropólogas ou antropólogas/antropologia. Em outros casos, ainda que com ressonâncias profissionais, trata-se principalmente de reminiscências pessoais (Landes, 1970, Wayne, 1985, acadêmicas (Kuper, 1984, Gladstone, Lutkenaus, 1986) ou de biografias de interesse mais geral (Mead, 1966, Hare, 1985, Bateson, 1984). Que o tema tem merecido atenção crescente, o exemplifica o anúncio da publicação em preparo de um dicionário biográfico de antropólogas, editado por J. MacIntyre e outros.

A exceção a essas abordagens mais convencionais e quase que derivadas do interesse geral pela história da antropologia fica por conta de Rodney Needham, na polêmica sobre a importância das pesquisas da obscura Daisy Bates para o conhecido trabalho de Radcliffe-Brown (Needham, 1974, 1981, White, 1981). Independentemente da posição que se tome em relação ao conteúdo do debate, sobra dele uma indagação importante a respeito das dificuldades (de pesquisar, de publicar, de obter respeito pelo seu trabalho) enfrentadas pelas mulheres na passagem do século quando pretendiam entrar na profissão.

Talvez o comentário tantas vezes repetido a respeito da estima que Malinowski e Boas tinham pelas mulheres em seus seminários, e sobre o estímulo que ambos deram às que decidiram se dedicar à antropologia, tenha nos feito deixar de lado observações de outro tipo. Sobre o estímulo, diz Joan Mark : “Ao encorajar não apenas (Alice) Fletcher mas também outras mulheres, incluindo Cordelia Studley, Zelia Nuttal e Erminnie Smith, a trabalharem na antropologia, (F.W.) Putnam iniciou a tradição, continuada por Franz Boas, que tornou a antropologia um dos campos profissionais nos Estados Unidos no qual as mulheres sempre foram preeminentes.” (1982:501) Preeminência à parte, um outro tipo de observação foi feito recentemente sobre essa tradição : “Conforme vários entrevistados, e citado por Mintz (...), Linton dizia, mais do que de brincadeira, que Benedict tinha feito um feitiço contra ele e que ele a matara com um contra-feitiço.” (Ebihara, 1985:105)

Convém lembrar que, quando Boas se aposentou como chefe do Departamento de Antropologia em Columbia, em 1937, a administração da universidade atribuiu a chefia não a sua substituta, Ruth Benedict, mas convidou Ralph Linton para o cargo e que Margaret Mead só se tornou membro da ‘faculty’ de Columbia no final de sua carreira.

Antropólogas e antropologia

Retornando ao caso do Brasil : se atualmente o trabalho produzido por antropólogas e por antropólogos é quase indistinguível e se a ocupação da presidência da Associação Brasileira de Antropologia é um indicador de aceitação profissional – tivemos duas presidentes num período inferior a dez anos – então as mulheres são plenamente aceitas na profissão. Mas não tivemos nenhum Boas ou Malinowski a quem possamos atribuir um estímulo histórico à preeminência das mulheres no campo antropológico (em termos puramente quantitativos, o número de autores ainda ultrapassa o de autoras na disciplina). E, se existe um grande número de mulheres na profissão, essa presença deriva antes do fato de que, desde a criação de instituições de ensino normal no país e a subsequente criação das Faculdades de Filosofia, destinadas de início a formar professores para os cursos secundários, o número de mulheres aí diplomadas e particularmente nos cursos de ciências sociais era muito alto. (Miceli, 1987) Isto é, o magistério como ‘vocação feminina’ (pelo menos nos níveis primário e secundário ; no universitário, apenas em algumas profissões), poderia contribuir para explicar uma certa ‘preeminência feminina’ (numérica) entre os antropólogos.

A tradição antropológica, entretanto, associa a carreira antes com a pesquisa do que com a docência, carreira que, em termos de especialização, é também relativamente recente. Se não houve estímulo por parte de pais (ou mães) fundadores, teria havido então uma tradição de pesquisadoras de campo no país ? A pergunta é provavelmente tão equivocada como a resposta que se dá nos casos americano e inglês, ao derivar a presença de mulheres na disciplina da influência de (alguns) homens. Lá (provavelmente), como aqui, houve exemplos (masculinos e femininos). Para uma série de muitos naturalistas europeus que vinham ao Brasil pesquisar nossa flora e fauna – os indígenas do país aí incluídos – de repente um era do gênero feminino, e que causava a impressão, talvez até uma impressão maior do que o conjunto da série anterior. Num conjunto de pesquisadores nacionais que se metiam pelas selvas (mas se costumava dizer ‘pelo sertão’) do Brasil, uma era mulher, e logo o imaginário literário se intrigava. Isto é, a pergunta interessante talvez fosse porque a sociedade da época considerava um escândalo a intenção da professora Leolinda Daltro de ‘catequisar’ por meios leigos os indígenas do país, se a ideologia anticlerical estava tão em voga ? Ou porque a doutora Emilia, o doutora sempre sublinhado, assim como o dona Heloisa Alberto Torres, mereceu, como a diretora do Museu Nacional, estatuto de heroína literária – se tantos de seus conterrâneos faziam as mesmas coisas na mesma época ?

A resposta a essas questões pode ser banal e restringir-se a avaliar a situação da mulher na sociedade da época – mas a pergunta mais importante diz respeito ao ‘esclarecimento’ posterior dessas senhoras que, para fazer o que faziam seus colegas do sexo masculino tiveram de enfrentar dificuldades dobradas. Um esquecimento que faz com que seja difícil – e talvez acabe por ser impossível – recuperar as anotações da professora Leolinda sobre algumas tribos do Brasil Central, numa época em que se diz que nada havia sido registrado sobre elas ; que faz com que a doutora Emilia se transforme em Emilio, quando citada em vida, e em muitas bibliografias posteriores a sua morte e que transforma Dina Lévi-Strauss apenas na ‘femme’ do etnólogo francês. Barbosa Lima Sobrinho lembrou recentemente, numa conversa informal, que quando era jovem, a presença da ‘professora Daltro’ sempre causava impressão ao aparecer na redação do Jornal do Brasil, em geral para fazer alguma reclamação : nem ele, nem nenhum observador da cena antropológica, registrou o fato de que foi através de seus esforços que os índios, por um breve momento, foram personagens políticos na capital do país – muito antes de serem personagens do Jornal Nacional. (No segundo texto em anexo, reconto brevemente as aventuras da professora, conforme um registro que ela mesma preparou.)

Neste projeto trata-se, então, de analisar o contexto da atuação dessas mulheres, perguntando-se por que o estatuto de heroínas e pioneiras que lhes foi atribuído por alguns de seus contemporâneos teria deixado vestígios tão tênues na história de nossa disciplina, e de avaliar a importância de sua contribuição em três momentos distintos da constituição da antropologia no país. Num primeiro momento, quando os museus estavam no auge de sua importância como instituições de pesquisa e quando boa parte dos pesquisadores no país eram estrangeiros (e europeus), a figura de Emilia Snethlage vai balizar a discussão ; no momento seguinte, o da definição dos índios como objeto de estudo privilegiado da antropologia no país, os seus pesquisadores parecem tornar-se livre-atiradores, não vinculados a instituições de pesquisa, ou mantendo vínculos esporádicos com elas (e.g. Curt Nimuendajú e Nunes Pereira), e a atuação de Leolinda Daltro será focalizada nesse contexto. Finalmente, num terceiro momento, a pesquisa e o ensino parecem começar a se associar num trabalho inovador de reprodução do saber – e aí a atuação de Heloisa Alberto Torres no Museu Nacional, num contexto em que as faculdades de filosofia começam a ser responsáveis pela formação de um grande número de mulheres na área das ciências sociais, será analisada. É a partir dessa formação também que algumas brasileiras começam a ir mais sistematicamente ao campo, em vários casos seguindo o exemplo de suas colegas e/ou esposas de colegas que tinham vindo do exterior (como Gioconda Mussolini [25], Berta Ribeiro [26], Vilma Chiara [27] e Clara Galvão [28]).

Os períodos e sua caracterização não são, é claro, estanques – e os nomes de muitas pesquisadoras deixam de ser citados aqui em benefício da brevidade. Vários personagens atravessam mais de um período, mas a ideia é que cada uma das escolhidas de certa maneira concentrará uma tendência mais geral em sua biografia. Mas, em traços largos, o primeiro momento mencionado vai do final do século passado até os inícios deste ; o segundo, cobre aproximadamente os anos vinte e trinta e o terceiro se inicia no final dos anos trinta, estendendo-se até o final dos cinquenta. No final dos anos sessenta, com a redefinição dos cursos de pós-graduação em antropologia, o panorama da disciplina foi grandemente modificado, não só pelo impacto da forma tese na produção intelectual, mas também pela multiplicação de influências teóricas e o grande crescimento do número de pesquisadores nos programas existentes. E embora o impacto do movimento feminista seja mais visível nas pesquisas sobre grupos urbanos do que em outras, ele certamente teve efeitos nas relações acadêmicas, em nosso país como em outros, tornando antropólogas e antropólogos mais sensíveis ao reconhecimento de seu trabalho.

Como Richard Price observou recentemente numa carta à American Ethnologist : “.. como parceiro num time antropológico de marido e mulher (que publicam em conjunto e separadamente), julgo apropriado observar que Suriname Folk-lore (1936) – um livro com ideias surpreendentemente modernas a respeito da música, da fala e do estilo Afro-americano – foi de fato escrito em coautoria com Frances Herskovits. E minha própria leitura deste trabalho sugere que ele é consideravelmente baseado mais em seu trabalho de campo do que no dele (Melville Herskovits). E de fato, se o livro fosse publicado hoje em dia, o nome de Frances Herskovits poderia bem figurar como o do autor principal.” (12:4, 1985).

O objetivo de minha pesquisa é contribuir para a ampliação dessa sensibilidade também no caso de nossas predecessoras.

Referências bibliográficas

Bateson, M. C. 1984. With a Daughter’s Eye : a Memoir of Margaret Mead and Gregory Bateson. New York, W. Morrow.

Cardoso de Oliveira, R. 1985. “Homenagem a Castro Faria. Introdução”, Anuário Antropológico, 83. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro.

[Cardoso De Oliveira, R.]. 1986. “O que é isso que chamamos de antropologia brasileira ?”, Anuário Antropológico, 85. Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro.

Clifford, J. 1986. “On Ethnographic Allegory”, in J. Clifford e G. Marcus (eds.), Writing Culture, Berkeley, Un. of California Press.

Corrêa, M. 1982. “As ilusões da Liberdade : a escola Nina Rodrigues e a antropologia no Brasil”, mimeo, tese de doutorado, Universidade de S. Paulo.

[Corrêa, M.] 1987. História da Antropologia no Brasil (1930-1960), vol.1 Testemunhos : Emilio Willems e Donald Pierson. São Paulo/Campinas, Ed. Vértice, Ed. da UNICAMP.

[Corrêa, M.] 1988. “Traficantes do excêntrico. Os antropólogos no Brasil dos anos 30 aos 60”, Revista Brasileira de Ciências Sociais (6). São Paulo, Ed.Vértice/ ANPOCS.

Ebihara, M. 1985. “American Ethnology in the 1930s : Contexts and Currents” in J. Helm (ed.), Social Contexts of American Ethnology, 1840-1984, Washington,

Erickson, P.A. 1984-1986. History of Anthropology Bibliography, Supplement 1 ; Supplement 2. Nova Scotia, Canada.

Gladstone, J. 1986. “Significant Sister : Autonomy and Obligation in Audrey Richard’s early Fieldwork”, American Ethnologist, 13 (2).

Hare, P. A 1985. Woman’s Quest for Science : Portrait of Anthropologist Elsie C. Parsons. New York, Prometheus Books.

Kuper, A. 1978. Antropólogos e Antropologia. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

Kuper, H. 1984. “Function, History, Biography : Reflections on fifty years in the British Anthropological Tradition”, in G. W. Stocking, Functionalism Historicized : Essays on British Social Anthropology, Madison, Wis, University of Wisconsin Press.

Landes, R. 1970. “A Woman Anthropologist in Brazil” in P. Golde (ed.), Women in the Field, Chicago, Aldine Pub. Co.

Laplantine, F. 1988. Aprender Antropologia. São Paulo, Ed. Brasiliense.

Leaf, M. 1980. Uma História da Antropologia. Rio de Janeiro/São Paulo, Zahar/EDUSP,

Lévi-Strauss, D. 1936. Instruções Práticas para Pesquisas de Antropologia Física e Cultural. São Paulo, Departamento Municipal de Cultura.

Lutkenaus, N. 1986. “‘She was very Cambridge’ : Camilla Wedgwood and the History of Women in British Social Anthropology”, American Ethnologist, 13 (4).

Mark, J. 1982. “Francis La Flesche : The American Indian as Anthropologist”, ISIS (73).

Maugué, J. 1982. Les dents agacées, Paris, Buchet-Chastel.

Mead, M. 1966. An Anthropologist at Work : the Writings of Ruth Benedict, New York, Atherton.

Melatti, J.C. 1984. “A antropologia no Brasil : um roteiro”, Boletim Informativo e Bibliográfico de Ciências Sociais (17), Rio de Janeiro, ANPOCS.

Mercier, P. História da Antropologia. Rio de Janeiro, Eldorado, 1974

Métraux, A. 1978. Itinéraires  : carnets de notes et journaux de voyage, 1. Paris, Payot.

Miceli, S. 1987. “Condicionantes do Desenvolvimento das Ciências Sociais no Brasil (1930-1964)”. Revista Brasileira de Ciências Sociais (5), São Paulo. Ed. Vértice/ ANPOCS,

Needham, R. 1974. “Surmise, Discovery and Rhetoric” in R. Needham, Remarks and Inventions : Skeptical Essays About Kinship. London, Tavistock Publications.

[Needham, R.]. 1981. “Kariera Refutations”, Oceania, LI (3).

Peirano, M. 1980. The Anthropology of Anthropology : the Brazilian case, mimeo, PhD Dissertation, Harvard University.

[Peirano, M.]. 1984. “A antropologia esquecida de Florestan Fernandes : os Tupinambá”, Anuário Antropológico, 82, Rio de Janeiro, Tempo Brasileiro.

Soares, L. 1983. “Mario de Andrade e o Folclore” in M. de Andrade, Mario de Andrade e a Sociedade de Etnografia e Folclore, 1936-1939, Rio de Janeiro ; São Paulo, Funarte ; Secretaria Municipal de Cultura.

Shostak, M. 1981. Nisa : the Life and Words of a Kung Woman. Cambridge, Mass, Harvard University Press.

Stocking, G. 1968. Race, Culture and Evolution : Essays in the History of Anthropology. New York ; London, The Free press ; Collier Macmillan.

Stocking, G. (ed). 1983. Observers Observed : essays on ethnographic fieldwork, Madison, University of Wisconsin Press.

[Stocking, G. (ed.)]. 1984. Functionalism Historicized : essays on British Social Anthropology, Madison, University of Wisconsin Press.

[Stocking, G. (ed.)]. 1985. Objects and Others : Essays on Museums and Material Culture, Madison, University of Wisconsin Press.

[Stocking, G. (ed.)]. 1986. Malinowski, Rivers, Benedict and Others : essays on Culture and Personality. Madison, University of Wisconsin Press.

Stocking, G. 1986. Victorian Anthropology. New York ; London, The Free Press ; Collier Macmillan.

Wayne, H. 1985. “Bronislaw Malinowski : the influence of various women in his life and works”, American Ethnologist, 12 (3).

Weiner, A. 1976. Women of Value, Men of Renown : new Perspective in Trobriand Exchange. Austin, University of Texas Press.

White, I. 1981. “Mrs Bates and Mr. Brown : an examination of Rodney Needham’s allegations”, Oceania, LI (3).




[1Nota Explicativa (N. E.) : Transcrição do manuscrito e notas por Amanda Gonçalves Serafim – pequenas alterações gramaticais foram realizadas para uma melhor compreensão do texto [Arquivo Edgard Leuenroth – Fundo Mariza Corrêa – caixa 13]. O documento não está datado, 1989 é a data de início do Projeto em questão. Todas as notas de rodapé que seguem, e que contêm a sigla (N. E.), foram produzidas para auxiliar a compreensão do texto e do campo antropológico brasileiro. Por fim, todos os trechos sublinhados ao longo do documento foram substituídos por grifo ou, no caso de subtítulos, negrito.

[2(N. E.) O Museu Paraense Emilio Goeldi (MPEG) é uma das instituições de pesquisa mais antigas do Brasil, tendo sido criada em 1866, e está sediada em Belém do Pará. Seu foco está nas pesquisas dos sistemas naturais e socioculturais da região amazônica brasileira, assim como a divulgação, organização e o recebimento de acervos documentais e museológicos.

[3(N. E.) : José Maria Ferreira de Castro (1898-1974) foi um escritor português, com passagem na juventude pela Amazônia Brasileira. Além do célebre romance A Selva (1930), best-seller traduzido em várias línguas, no final de sua vida publicou o livro O Instinto supremo (1968) – seu último trabalho e o segundo que se passa no território brasileiro – sobre Curt Nimuendajú e a pacificação dos indígenas Parintintin.

[4(N. E.) : Curt Nimuendajú (1883-1945) foi um etnólogo alemão que se muda para o Brasil no início do século XX, onde permanece por toda sua vida. Inicialmente denominado, Curt Unckel, foi rebatizado pelos Apapovuca-Guarani, um dos grupos indígenas que pesquisou. Para saber mais : <https://www.berose.fr/rubrique688.html>.

[5(N. E.) : Emilia Snethlage (1868-1929) ornitóloga alemã, que chega ao Brasil em 1905 e permanece até o final de sua vida, tendo feito expedições através da Amazônia e atuando em dois importantes museus nacionais, o Museu Paraense Emilio Goeldi (MPEG) e o Museu Nacional do Rio de Janeiro. O romance em questão é Os Igaraúnas (1938) do escritor brasileiro Raimundo de Moraes (1872-1941).

[6(N. E.) : Heloisa Alberto Torres (1895-1977) antropóloga, diretora do Museu Nacional e presidente da Comissão Nacional de Proteção ao Índio, que realizou várias pesquisas sobre cultura material. O romance em questão é No pacoval de Carimbé (1933) do antropólogo físico José de Bastos Ávila.

[7(N. E.) : Lima Barreto (1881-1922) foi um escritor e jornalista brasileiro. Publicou uma vasta obra que inclui, romances, contos, crônicas e outros gêneros literários. Seus textos estão fortemente marcados por fatos históricos e pelo contexto do Rio de Janeiro no início do século XX.

[8(N. E.) : Leolinda Daltro (1859-1977) sertanista, professora e feminista, que atuou através da alfabetização laica e da tentativa de criação de uma associação civil para defender os direitos e a educação indígena no país. O romance em questão é Numa e a ninfa (1915) do escritor Lima Barreto.

[9(N. E.) : Frances Herskovits (1897-1975) foi uma antropóloga estadunidense que realizou pesquisas sobre questões raciais no Brasil, em outros países latino-americanos e no continente africano. A maior parte de seus trabalhos foi publicado em coautoria com seu marido, Melville Herskovits (1895-1963). Para saber mais, ver L. Sansone (2021) : <https://www.berose.fr/article2357.html>.

[10(N. E.) : Cecilia Roxo Wagley, brasileira, era formada em biblioteconomia pela Universidade de Columbia. Foi casada com Charles Wagley (1913-1991), antropólogo estadunidense. No Brasil, Cecilia Wagley trabalhou na Biblioteca Nacional no Rio de Janeiro na década de 1940 e atuou em pesquisas realizadas por seu marido junto a sociedades indígenas e no norte do país.

[11(N. E.) : Virginia Watson (1918-2007) foi uma antropóloga estadunidense que desenvolveu pesquisas com grupos indígenas brasileiros (Guarani-Kaiowá) e na Papua Nova Guiné. Além disso, realizou um trabalho arqueológico com artefatos pré-históricos da Oceania. No Brasil desenvolveu pesquisas junto ao seu marido, o também antropólogo, James Bennett Watson (1918-2009).

[12(N. E.) : Yolanda Murphy (1925-2016) foi uma antropóloga polonesa, radicada nos EUA, com mestrado pela Universidade de Columbia. Desenvolveu pesquisas entre os indígenas Munduruku (grupo localizado na região Amazônica), junto ao seu marido Robert Murphy (1924-1990), com quem publicou o livro Women of Forest (1974). Além disso, foi professora de antropologia em uma instituição em Nova York.

[13(N. E.) : Elsebet Helga Maybury-Lewis (1926-2015), mais conhecida como Pia Maybury-Lewis, foi aluna da Escola de Sociologia e Política de São Paulo, porém sem cursar formalmente um curso de graduação ou pós-graduação na instituição. Atuou junto a David Maybury-Lewis (com quem foi casada) em pesquisas com grupos indígenas no Brasil e foi cofundadora da Cultural Survival, uma organização que tem como objetivos a defesa de direitos de sociedades indígenas ao redor do mundo.

[14(N. E.) : Helen Pierson (1906-1994) foi casada com o sociólogo estadunidense Donald Pierson (1900-1995). Ela era formada em Economia Doméstica e auxiliou o trabalho de seu marido durante toda sua trajetória profissional, incluindo sua estadia no Brasil. Dentre as muitas atividades que desempenhou, é possível destacar secretariado, trabalho de campo em pesquisas realizadas no país, levantamento bibliográfico, auxílio na preparação de alunos, tradução e docência na Escola Livre de Sociologia e Política, dentre outros.

[15(N. E.) : Summer Institute of Linguistics ou Instituto Linguístico de Verão, atualmente SIL International, é uma organização cristã evangélica sem fins lucrativos, sediada nos EUA, que atua em diversos países promovendo pesquisas linguísticas e a tradução da bíblia para diferentes línguas. No Brasil e em outros países latino-americanos, o SIL teve uma forte influência entre as décadas de 1930 e de 1970, principalmente em questões relacionadas a grupos indígenas.

[16(N. E.) : A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), foi criada na década de 1960 e é uma das principais agências de fomento à pesquisa científica e tecnológica do Brasil, tendo como campo de abrangência o estado de São Paulo.

[17(N. E.) : O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) é uma fundação do governo federal brasileiro criada na década de 1950 para apoiar e financiar o desenvolvimento científico e tecnológico nacional.

[18(N. E.) : A Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) é uma entidade pública nacional que tem como objetivos fomentar a ciência, a tecnologia e instituições de ensino no Brasil – sua criação data da década de 1960.

[19(N.E.) : “História Intelectual e Etnografia da Ciência” foi uma das áreas temáticas do doutorado interdisciplinar em Ciências Sociais da Unicamp. O programa foi criado em 1985 e a área em questão teve como seu primeiro diretor o antropólogo Roberto Cardoso de Oliveira (ver nota 23), além de Corrêa como professora e colaboradora. No início da década de 1990, foi renomeada para “Itinerários Intelectuais e Etnografia do Saber” ; e atualmente é chamada de “Modos de conhecimento e suas Expressões : Experiências e Trajetórias”.

[20(N. E.) : O Projeto História das Ciências no Brasil foi coordenado pelo sociólogo Simon Schwartzmann (1939-) no Centro de Lógica, Epistemologia e História da Ciência (CLE) da Unicamp, entre o final da década de 1980 e início dos anos de 1990. Parte do material produzido ou acumulado pelo projeto pode ser acessado nos arquivos do CLE. Para saber mais : <https://arqhist.cle.unicamp.br/index.php/projeto-memoria-cientifica>.

[21(N. E.) : A linha de pesquisa “História da Ciência” não existe atualmente no Departamento de História da Unicamp. Porém, sua criação foi responsável pela mudança de nome da área temática “História Intelectual e Etnografia da Ciência” do doutorado interdisciplinar em Ciências Sociais da universidade. Para saber mais : <http://repositorio.unicamp.br/Acervo/Detalhe/1162062>.

[22(N. E.) : Donald Pierson (1900-1995) foi um sociólogo estadunidense que desenvolveu sua tese de doutorado sobre relações raciais na Bahia. Depois de sua pesquisa lecionou por mais de 20 anos na Escola Livre de Sociologia e Política. Além disso, desenvolveu dois grandes projetos enquadrados nos “estudos de comunidade”, em Cruz das Almas (no interior de São Paulo) e no Vale do São Francisco (que engloba cidades de quatro estados brasileiros).

[23(N. E.) : Roberto Cardoso de Oliveira (1928-2006) foi um antropólogo brasileiro, que desenvolveu pesquisas sobre a relação entre grupos indígenas e a sociedade nacional, e sobre o fazer antropológico no Brasil e em outras localidades. Foi presidente da ABA e colaborou ativamente com a criação de alguns dos primeiros programas de pós-graduação no país. Para saber mais : <http://repositorio.unicamp.br/Acervo/Detalhe/1162062>.

[24(N. E.) : Ao longo de vinte anos, muito alunos, alunas e pesquisadores contribuíram com o trabalho de Mariza Corrêa junto ao Projeto História da Antropologia no Brasil e ao Projeto Antropólogas e Antropologia, porém destes quatro nomes se destacam por sua atuação, são eles : Ana Luisa Mello e Silva, Francisco Tadeu Rosa, Luiz Henrique Passador e Maria Helena Ortolan.

[25(N. E.) : Gioconda Mussolini (1913-1969) foi uma antropóloga brasileira, que desenvolveu pesquisas sobre comunidades de pescadores no litoral do estado de São Paulo. Apesar de ter lecionado na Universidade de São Paulo (USP) e ter contribuído com a formação de uma série de intelectuais entre as décadas de 1940 e 1960, ela nunca conseguiu assumir uma posição efetiva na universidade, tendo atuado como assistente dos professores titulares da cadeira de antropologia.

[26(N. E.) : Berta Gleizer Ribeiro (1924-1997) foi uma antropóloga moldava-brasileira e professora do Museu Nacional no Rio de Janeiro. Desenvolveu pesquisas sobre cultura material indígena no país, algumas delas em parceria com Darcy Ribeiro (com quem foi casada até meados da década de 1970).

[27(N. E.) : Vilma Chiara foi uma antropóloga brasileira, com formação em etnologia em universidades francesas e com passagem pelo Museu Paulista e por outras instituições nacionais. Desenvolveu pesquisas junto ao seu marido Harald Schultz (1909-1966) entre as décadas de 1950 e 1960 e posteriormente trabalhos individuais, sempre junto a grupos indígenas brasileiros e com uma inclinação para as questões relacionadas a antropologia visual e de acervos.

[28(N. E.) : Clara Maria Galvão foi uma biblioteconomista brasileira, com passagens por diversas instituições no país, como o Museu do Índio, a Universidade de Brasília e o MPEG. Foi casada com o antropólogo Eduardo Galvão (1921-1976), tendo o acompanhado em toda sua trajetória profissional.